A urgência da arte educação no desenvolvimento pessoal e social

Cultura; Teatro; Cena; Apresentação; Música; Artes visuais, Exposição, Dança, Película.
Estas palavras fazem parte do vocabulário cultural do campo profissional artístico e elas
precisam ser cada vez mais pronunciadas e exercitadas em ambientes educacionais e
sociais.

Diminuir o distanciamento humano se faz emergencial. A arte detém de procedimentos
capazes de alcançar a comunicação por caminhos sensíveis que vão além das palavras
faladas. A arte é profunda e possibilita experiências individuais através de propostas que
são destinadas ao coletivo.

Desmistificar atuações artísticas em condutas educacionais e sociais contribui, desperta,
inclui e convida o outro a observar e perceber o entorno por caminhos antes ainda não
trilhados. Ensinar arte não significa que o aluno será um artista, mas com certeza ele será
um cidadão mais crítico, de consciência ampla e autoconhecimento elevado.

A pedagogia destinada a arte teatral atua no intelecto, no corpo, voz, sentimentos,
sensações, interagindo com o ser humano como um todo. O exemplo prático que
descreve todos estes apontamentos é a chegada na sala de aula para a prática teatral:
“O espaço está vazio. As pessoas chegam e se colocam em roda. Durante os exercícios
elas se olham nos olhos, tocam as mãos, brincam com seu próprio corpo, caminham
observando o espaço e as pessoas. Elas se descobrem e desbravam uma nova forma de
se ver, falar e expressar. Estamos falando de material humano, aquele que nascemos,
crescemos, vivemos e depois vamos embora.”

Antes de aprender a lidar com a externalidade proposta pelo mundo, é necessário saber
lidar consigo e com os outros. A pedagogia teatral detém de uma gama extensa de jogos
e brincadeiras associadas a ludicidade, a expressão, ao conhecimento de si, a exploração
de caminhos, e acima de tudo, a relação entre as pessoas. No ambiente de prática teatral
não há erros e acertos, há somente possibilidades. Ao nos propormos que “certo e
errado” são parâmetros que nós mesmos julgamos, passamos a compreender a não
existência deste apontamento, assim, vivenciamos integralmente as propostas que são
ofertadas.

Jiddu Krishnamurti, filósofo, educador e defensor da educação através do
autoconhecimento sempre abordou que aprender a lidar consigo e com o outro de forma
saudável antecede a necessidade de se aprender conteúdos que muitas vezes não
utilizamos no cotidiano.

Teóricos como Vygotsky, Piaget, Dewey e Rousseau apontam a metodologia de jogos
como ferramenta contribuinte para o aprendizado e desenvolvimento humano.
Se tantas teorias afirmam a importância da familiarização com a pedagogia teatral, cabe a nós, que conhecemos estas colocações encontrar caminhos para que a teoria se torne
prática.

O Programa Guritiba é um projeto mensal que atua na sociedade com atividades em arte
educação. O projeto contribui para o desenvolvimento social fornecendo atividades
gratuitas para educadores, alunos, público em geral, com foco em grupos em situação de
vulnerabilidade social. Cerca de 30.000 pessoas tiveram acesso direto às atividades do
projeto.

É entender a teoria e com responsabilidade social se manifestar na prática.

Carol Scabora
Programa Guritiba

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: