“Eufonia” é um sensível olhar sobre as primeiras descobertas infantis

Uma cigarra sai do casulo e começa a descobrir o mundo. As dores, alegrias e aflições da vida surgem aos poucos no dia a dia do bichinho, impondo desafios comuns a qualquer ser humano. Crianças e adultos vão se identificar muito com a protagonista do espetáculo Eufonia, que estará no palco do Guritiba 2018 nos dias 31 de março e primeiro de abril. Sem nenhuma palavra, a peça, a ser apresentada no Museu Oscar Niemeyer, é baseada na dança, na música e em um cenário intimista que prende a atenção da plateia.

“Eufonia” é um sensível olhar sobre as primeiras descobertas infantis

O nome Eufonia (efeito acústico agradável na junção de dois sons – o contrário de cacofonia) deve-se à proposta de resgatar o primeiro contato de uma criança com a musicalidade da vida. Segundo a Companhia dos Pés, que faz a peça, o trabalho fala do momento em que os pequenos se descobrem como seres únicos, independentes dos pais e buscam sua própria voz e identidade.

Mesmo sem palavras, o espetáculo é extremamente atrativo e dinâmico. E o diretor, Linaldo Telles, lembra que cabe a cada espectador preencher o vazio de fala com o barulho que vem de dentro de si mesmo. Bonito, né?

Construção da personagem

Angélica Zignani, que interpreta a cigarra, conta que começou a construir o personagem após ler um livro do neurologista Oliver Sacks com a história de um professor universitário que, após ficar cego, passou a identificar as pessoas a partir da vibração dos passos delas. “É bom lembrar que cada um tem sua própria musicalidade”. Para a atriz, embora Eufonia tenha sido preparada para crianças, tem muito a falar sobre cada adulto que está na plateia.

Os ingressos já estão à venda. Já comprou o seu?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: